Estação Cultura Prefeito Antônio da Costa Santos

A Estação Cultura - Prefeito Antonio da Costa Santos (também conhecida como Estação Central de Campinas ou Estação da Fepasa) é a antiga estação ferroviária central da cidade de Campinas, no interior do Estado de São Paulo, Brasil. Inaugurada em 1872, foi tombada como patrimônio histórico e cultural da cidade em 1982.

Serviu como estação ferroviária até 15 de março de 2001, época em que partiu o último trem de passageiros com destino a Araraquara. Desde de julho de 2003, com a desativação completa da RFFSA, passou a abrigar um centro cultural, administrado pela prefeitura.

Considerada um dos pontos turísticos da cidade, recebeu em 9 de setembro de 2011, último dia útil antes data que marcou os 10 anos do assassinato do prefeito Antônio da Costa Santos o nome de Estação Cultura - Prefeito Antônio da Costa Santos. O decreto municipal nº 17.402, assinado pelo então prefeito Demétrio Vilagra, foi publicado no Diário Oficial do Município no dia 12 de setembro do mesmo ano.

Estação ferroviária - centro cultural de Campinas 001.jpg

 


Catedral Metropolitana de Campinas

A Catedral Metropolitana de Campinas, inaugurada em 1883, localiza-se na Praça José Bonifácio - popularmente conhecida como Largo da Catedral, no centro da cidade de Campinas. É dedicada a Nossa Senhora da Conceição.
A igreja começou a ser construída em 1807. Sua construção durou mais de seis décadas.

A técnica da construção é a da taipa de pilão. O seu interior, em estilo barroco baiano (sem douração) conta com um requintado trabalho de talha de madeira, realizado pelos entalhadores Vitoriano dos Anjos Figueiroa e Bernardino de Sena Reis e Almeida.

O prédio, de quatro mil metros quadrados de área construída por mão-de-obra escrava e que recebe diariamente três mil pessoas.

"Todos os dias, em intervalos de 15, 30 e 60 minutos, os sinos da Catedral Metropolitana, anunciam o correr do tempo.
A Catedral Metropolitana de Campinas é tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (CONDEPHAAT) e pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Campinas (CONDEPACC). O edifício é tido como o maior no mundo construído em taipa de pilão, com seus 4.000 m² e também um dos mais altos e recebe diariamente três mil pessoas.

 

Parque Portugal

A área popularmente conhecida como “Lagoa do Taquaral” constitui-se um dos mais importantes espaços de lazer da cidade de Campinas. Integrada no passado à histórica Fazenda Taquaral, os 33 alqueires que compõem esta área foram transformados em Parque no ano de 1972, após aquisição pela Prefeitura Municipal das terras da família Alves de Lima. Destinado ao lazer, a “Lagoa do Taquaral” reúne uma grande variedade de espaços recreativos e culturais, a começar pela Lagoa Isaura Telles Alves de Lima, que oferece o uso de pedalinhos, visita a uma réplica exata da Caravela Anunciação (que trouxe Pedro Álvares Cabral às terras Brasileiras, com 29,65 m de comprimento por 8,64 de altura, 6 velas de tecido com a cruz da Ordem de Cristo ao centro) e espetáculo de “águas dançantes” de uma fonte sonora (nos finais de semana).

Já na extensa área verde que rodeia a lagoa principal, encontram-se bosques destinados a piquenique; viveiros de pássaros; área com aparelhos de ginástica; 2 playgrounds, lanchonete, sanitários e um percurso de 3 km de bondinhos (os mesmos que serviram Campinas até 1968).

Entre os equipamentos culturais, o Parque Portugal/ Lagoa do Taquaral oferece a Concha Acústica - Auditório Beethoven (com capacidade para 2.000 pessoas); Museu Dinâmico de Ciência; o Planetário; relógio solar; Centro de Vivência dos Idosos (no antigo Ginásio de Bocha ) e a "Esplanada das Bandeiras" (praça destinada a eventos cívicos e culturais).

Entre os equipamentos esportivos, encontram-se o Ginásio de Esportes “Alberto Jordano Ribeiro” (com quadra de vôlei e basquete); o Balneário Municipal (com 3 três piscinas abertas ao público), uma pista de coopper com extensão de 2.800 m; o kartódromo “Afrânio Ferreira Jr.” (com pista de 800m e curvas sinuosas que atende exigências da Federação Paulista de Automobilismo); uma pista de aeromodelismo; uma ciclovia de aproximadamente 5km, onde também é utilizado por muitos corredores, pois tem placas indicando a distancia; uma pista de patinação (também usada para aulas gratuitas de aeróbica) e 16 quadras poliesportivas.

 


Jockey Club Campineiro

O Jockey Club Campineiro é um prédio histórico localizado no Centro da cidade brasileira de Campinas. O prédio, em estilo eclético e com elementos do art nouveau e da neorrenascença, teve sua construção concluída em 1925, tendo sido eleito em 2008 uma das Sete Maravilhas de Campinas, possui 1.371,8 m² e três pavimentos.

O edifício foi construído para ser sede do Jockey Club Campineiro, fundado em 19 de setembro de 1877 por Antônio Egídio de Sousa Aranha, Francisco Elisiário, Francisco José de Camargo Andrade e José Francisco Aranha. Sua praça de corridas era o Hipódromo do Bonfim. Da época da conclusão de sua sede até a década de 1970, o clube viveu um período de muito movimento, sendo palco de festas, recitais de piano, violino e canto das famílias tradicionais, tendo sido também a sede de intensa agitação da alta sociedade campineira.

Com o fim das corridas de cavalos em Campinas, o clube entrou em decadência, mas continuou a existir. O prédio foi completamente revitalizado, passando a abrigar além da sede do clube e de um restaurante pré-existente, um Piano Bar.

Em 2008, a revitalização do edifício do Jockey Club Campineiro foi concluída com a instalação de um projeto luminotécnico.
O Jockey Club Campineiro localiza-se na Praça Antônio Pompeu, 36, Centro, Campinas.

 

Mercado Municipal

O Mercado Municipal de Campinas foi inaugurado em 12 de abril de 1908. Serve a cidade de Campinas, no interior do estado de São Paulo, Brasil. O edifício foi construído inicialmente para servir como armazém de estocagem dos produtos transportados pela ferrovia Funilense.

Comprado pela prefeitura, foi reformado e transformado em Mercado Municipal. Obra do arquiteto Ramos de Azevedo, o mercado foi projetado em um pitoresco estilo neomourisco. Sua área total é de 7.720 m², sendo 3.110 m² de área construída, mais estacionamento e 143 boxes para venda dos mais diversos produtos. Foi tombado pelo Condepacc como patrimônio histórico e cultural da cidade de Campinas em 23 de novembro de 1982.

Apesar do crescimento urbano, que proporcionou a vinda de muitos hipermercados à cidade, o Mercado Municipal vem mantendo a tradição como importante centro de compras, devido a grande oferta de produtos e preços atrativos, contando também, com a localização estratégica na zona central, ficando próximo a dois terminais de ônibus.

 

Escola de Cadetes

A Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx) localiza-se na cidade de Campinas, Estado de São Paulo, no Brasil. É uma instituição com mais de meio século de existência, cuja missão é preparar candidatos para o ingresso na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), responsável pela formação do oficial combatente do Exército.

O ensino preparatório do Exército Brasileiro surgiu no ano de 1939, com a transformação do Colégio Militar de Porto Alegre em Escola de Formação de Cadetes.

No ano de 1941, o Interventor Federal do Estado de São Paulo, preocupado com a reduzida representação paulista no Exército Brasileiro e a grande procura de jovens de seu Estado pela carreira militar, realizou gestões junto ao Ministro da Guerra para viabilizar a implantação de uma escola preparatória de cadetes no Estado de São Paulo.

Em 1944, o Governo de São Paulo adquiriu o terreno da Fazenda Chapadão, em Campinas, e responsabilizou-se pela construção de 2/3 da nova Escola.

Decidido o local de instalação definitiva da Escola, o projeto, em estilo colonial espanhol, foi idealizado e conduzido pelo arquiteto Hernani do Val Penteado. A construção do prédio da EsPCEx, exemplo vivo da bela arquitetura colonial da primeira metade do século XX, teve início quando a urbanização da cidade de Campinas começava a ocupar, timidamente, as áreas das antigas propriedades rurais existentes na periferia. A imponente obra é um marco da história da arquitetura colonial da cidade.

 

Torre do Castelo

A Torre do Castelo - Vítor Negrete é uma caixa d'água do tipo castelo d'água, construída no estilo art déco com 27 metros de altura, localizada na Praça 23 de Outubro, no bairro Jardim Chapadão, na cidade brasileira de Campinas, que foi construída entre 1936 e 1940, com capacidade original para 250.000 litros. Situada a aproximadamente 735 metros de altitude, é um dos pontos mais altos dentro do perímetro urbano de Campinas, além de ser um marco geodésico e possuir em seu topo um mirante que permite ver vários bairros da cidade, assim como a Serra do Japi, localizada a aproximadamente 40 km de distância, no município de Jundiaí.

À semelhança da rotatória onde está o Arco do Triunfo em Paris, a rotatória onde se localiza Torre recebe o trânsito de meia dúzia de vias (começam e terminam nessa rotatória: Av. Dr. Alberto Sarmento, R. Santo Antônio Claret, Av. João Erbolato, Av. Francisco José de Camargo Andrade e R. Oliveira Cardoso; a Av. Andrade Neves está nos dois sentidos), em todas as direções. Na época em que foi feita, representava um avanço com vistas à expansão da cidade de Campinas para o norte, de acordo com o plano urbanístico de Francisco Prestes Maia. A torre atualmente possui, além de seu mirante, o transmissor da Rádio Educativa de Campinas (101,9MHz) e um museu de objetos ligados à distribuição de água da SANASA e das empresas que a antecederam.

A torre passou por três reformas: 1972, 1991 e 1998, quando adquiriu a aparência atual. As seis amuradas do mirante contêm informações sobre as regiões e lugares de Campinas vistos em cada uma das janelas. A Torre do Castelo foi reaberta à visitação pública em 15 de maio de 2010, aos sábados e domingos, das 12:00 às 20:00, com possibilidade de visitas durante a semana mediante agendamento.

 

Shopping Parque Dom Pedro

O Parque D. Pedro Shopping é o maior centro comercial e de lazer da América Latina.

Inaugurado em 19 de março de 2002, está localizado na cidade de Campinas, no interior do Estado de São Paulo. Situa-se às margens da Rodovia Dom Pedro I, no quilômetro 137. Possui espaço interno para acomodação de cerca de 420 lojas, sendo que seu lado externo também possui diversas instalações, dentre as quais destacam-se o Wal-Mart Supercenter, uma academia de luxo, duas danceterias entre elas o fenômeno Gold Street Bar, umas das mais agitadas da cidade, além de vários restaurantes, bares e lanchonetes, clínica médica, agências de automóveis, pet shop e uma loja de materiais de construção e bricolagem.

Esse shopping possui cinco entradas temáticas: no lado principal (leste) há a Entrada das Águas, a Entrada das Colinas e a Entrada das Flores, no outro (oeste) há a Entrada das Pedras e a Entrada das Árvores, cada uma delas decorada de acordo com o tema proposto e com lojas que oferecem o mesmo tipo de serviço ou vendem produtos semelhantes. Este foi um dos primeiros shoppings a apresentar essa divisão por setores, ao invés da tradicional separação por andares.
Todas as acomodações do shopping são cuidadosamente planejadas, não deixando passar nenhum detalhe na pintura e decoração. Há, no shopping, diversas "praças de descanso" (com plantas, estofados e um ambiente agradável com wi-fi)
Na entrada das árvores encontra-se uma obra artística produzida a partir do tronco de uma figueira que se encontrava no terreno onde o shopping foi construído.

Espaço Kids são áreas reservadas as crianças com monitores e funcionários treinados, para cuidar das crianças enquanto seus pais fazem compras. Através de vários monitores espalhados pelo shopping e utilizando toda a tecnologia da segurança, os pais podem acompanhar seus filhos de onde eles estiverem.

Para além da sua invulgar dimensão, o Parque Dom Pedro introduz no Brasil um novo conceito de shopping temático, com a arquitetura e a decoração a remeterem os visitantes para o ambiente de um parque natural. A sectorização das lojas e a forte preocupação com a defesa do meio ambiente são outras características importantes do empreendimento, sendo ainda de realçar que se trata do primeiro centro comercial brasileiro a ser inserido na categoria dos “edifícios inteligentes”, dado o elevado grau de informatização e os inovadores sistemas instalados, que permitem reduzir o consumo de energia e o reaproveitamento de 2/3 da água utilizada.